Oito casos de doença que deixa ‘urina preta’ foram registrados este ano na Bahia

Fonte: G1 Bahia

De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), notificações são dos municípios de Alagoinhas, Simões Filho, Maraú, Mata de São João e Salvador.

Oito casos da doença de Haff, também conhecida como “doença da urina preta”, foram registrados este ano na Bahia, segundo informações da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) divulgadas nesta segunda-feira (23).

Conforme a Sesab, as notificações foram feitas nos municípios de Alagoinhas, Simões Filho, Maraú, Mata de São João e Salvador. No total, seis permanecem em investigação.

A doença de Haff se caracteriza por ocorrência de extrema dor e rigidez muscular, dor torácica, além de falta de ar, dormência e perda de força em todo o corpo, podendo causar falência renal. Pessoas com a doença apresentam urina na cor de café, causada pela elevação da enzima CPK, associada à ingestão de pescados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a diretora da vigilância epidemiológica da Bahia, Márcia São Pedro, amostras de alimentos são encaminhados para análise laboratorial em um centro de referência, onde a investigação é aprofundada, pois os pacientes podem apresentar rabdomiólise – degradação do tecido muscular que libera uma proteína prejudicial no sangue.

Em 2020 foram notificados 45 casos e confirmados 40, nos municípios de Salvador, Feira de Santana, Camaçari, Entre Rios, Dias D’Ávila e Candiba, segundo dados da Sesab.

Já em 2019, não houve notificação de casos. Porém, entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017 foram registrados 71 casos, em Salvador (66), Vera Cruz (1), Dias D’Ávila (1), Camaçari (1), Feira de Santana (1) e Alcobaça (1).

A Sesab informou que os casos verificados nos anos de 2016 e 2017 resultaram em dois óbitos, um em Salvador e outro em Vera Cruz. Nos dois casos, os pacientes tinham comorbidades.