Justiça recebe denúncia do MP-BA contra delegada, por envolvimento com quadrilha de roubos e clonagem de veículos

Fonte: G1 Bahia

Além da delegada, outras três pessoas também foram denunciadas pelo MP-BA. No documento, investigados foram indiciados por ao menos 10 crimes; G1 detalha.

O Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA) recebeu a denúncia do Ministério Público (MP-BA) contra delegada Maria Selma Pereira Lima, por envolvimento com quadrilha de roubos e clonagem de veículos. Ela é investigada pela Operação Dublê.

A delegada está afastada judicialmente do cargo pelo prazo de um ano. Outras três pessoas, também investigadas pela mesma operação, foram denunciadas por ao menos dez crimes. [Veja detalhes abaixo]

De acordo com o MP-BA, a delegada utilizava a influência que tinha, por causa do cargo, para garantir a impunidade dos membros da quadrilha e facilitar a execução dos crimes. O G1 entrou em contato com Maria Selma e aguarda um posicionamento.

  • Maria Selma Pereira Lima: Falsificação de documento público; falsidade ideológica; uso de documento falso; denunciação caluniosa e fraude processual.
  • Pedro Ivan Matos Damasceno: Furto qualificado; falsificação de documento público; falsidade ideológica; uso de documento falso; adulteração de sinal identificador de veículo automotor; corrupção ativa; denunciação caluniosa e posse ilegal de arma de fogo.
  • Carlos Antônio Franco Assis: Furto qualificado e denunciação caluniosa.
  • Cláudio Marco Veloso Silva: Usurpação de função pública.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os réus têm até o dia 13 de agosto para informarem dados como endereço, número de contato e e-mail.

Operação Dublê
A Operação Dublê foi iniciada no dia 7 de julho e um homem, apontado como chefe do grupo criminoso, foi preso na ocasião.

A delegada já havia sido afastada por 90 dias pela corregedoria da Polícia Civil depois da instauração de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD), que prorrogou a punição por mais 90 dias. Já o afastamento judicial de um ano foi decorrente da operação.

Maria Selma é ex-diretora do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP). Em 2020 o Ministério Público iniciou apurações de denúncias contra ela. Maria Selma foi investigada como suspeita de chefiar uma organização que cometia crimes contra o patrimônio e tráfico de drogas na Bahia.

Além do afastamento, a 1ª Vara Especializada em Crimes Contra a Administração Pública da comarca de Salvador definiu que a delegada seja proibida de acessar as dependências e aos sistemas da Polícia Civil, de se comunicar com outros agentes de segurança e utilize os serviços da Secretaria de Segurança Pública.