Morre o Professor Osvaldo Calazans da Cruz, Acajutiba se consterna

Por.: Professor José Milton Ferreira

Ao partir para a eternidade o senhor Osvaldo, “seu” Osvaldo ou professor Osvaldo, deixa um rico legado de cidadania, austeridade e dedicação.

Ao lado do Professor Agenor Pereira, escreveu seu nome na história de Acajutiba como um dos baluartes da educação básica. Fundador e proprietário da Escola Padre José de Anchieta ao lado da Professora Eufrosina, sua primeira esposa, ali marcou o ensino local pela manutenção dos valores cívicos, culturais e religiosos, alcançando meio século de atividade ininterrupta, fez dessa entidade uma marca inigualada pelo compromisso e pela qualidade. Hoje sob a direção da Professora Antônia, sua segunda esposa é, aquela instituição, muito respeitada pela comunidade acajutibense e circunvizinhas. Na vida politica, “seu” Osvaldo foi um dos primeiros responsáveis pela organização administrativa, readequando os velhos modelos herdados da década de 1950 aos exigidos no final da década de 1970, quando ocupou a secretaria de administração no governo do prefeito Pedro Almeida Guimarães. Nessa função destacou-se pela sua seriedade, probidade e zelo com a coisa pública.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já no inicio dos anos 80, elege-se vereador e em seguida presidente da Câmara de Vereadores durante o governo do perfeito José Gustavo de Oliveira, aqui provou ser o líder do legislativo por excelência. Daquela, legislatura ouviu-se o prefeito de então dizer: nunca os vir pedirem favor nem mendigar homenagens, e pobre do prefeito que ousasse corrompê-los.

Era um homem de fala calma e e tom ameno, com a característica dos que foram educados no seio clerical, como foi o seu caso; na juventude chegou a estudar em seminário e de sua fé e confissão católica nunca abriu mão, antes orientava, praticava e devotava suas manhãs dominicais às missas de ordem.
Acajutiba, indubitavelmente, perde muito com a partida desse homem franzino, de olhar confortante e maneiras afáveis. Ele pode ser contado entre aqueles que plantaram uma árvore.

Ele pode ser classificado como um exemplo do cidadão, do esposo, do pai e do amigo que foi.
E assim ficamos todos um pouco órfãos, não sem antes apresentarmos os nosso pleitos de reverência e pesares aos seus filhos: professor Zé Nilton Andrade, Maria de Lourdes, Luiz, Tereza, Fernando e Rita, juntamente com a professora Antônia, sua extremada esposa e dedicada companheira.