Companheiros há quase 50 anos, casal morre por Covid-19 em intervalo de 6 dias no sul da Bahia

Fonte: Acorda Cidade

Higino e Nair Barros estavam juntos há 48 anos e morreram entre o final de março e início de abril. Ele era rodoviário e trabalhava com estudantes universitários em Ubatã, enquanto ela era enfermeira aposentada.

Um casal de idosos de Ubatã, no sul da Bahia, que estava junto há quase 50 anos, morreu em decorrência da Covid-19, em um intervalo de seis dias um do outro. Higino Barros dos Santos, de 69 anos, morreu na segunda-feira (5), menos de uma semana depois de perder a esposa, Nair, de 68, em 29 de março.

Eles eram casados há 48 anos e tiveram que se separar no dia 15 de março, quando Nair deu entrada na Clínica São Roque, em Ipiaú, cidade vizinha a Ubatã, com problemas respiratórios. Ela ficou internada por nove dias e foi transferida para o Hospital de Ilhéus. Com o quadro de Covid-19, Nair precisou ser intubada, mas não resistiu.

Higino começou a apresentar os sintomas da doença quando a companheira já estava hospitalizada. No dia 25 de março, ele foi levado pelos familiares ao Hospital Municipal de Ubatã e transferido para o Hospital Geral de Ipiaú, onde ficou intubado. A situação se agravou e Higino morreu na última segunda-feira (5). Quando Nair morreu, Higino estava intubado e não soube do falecimento da esposa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Auana Barros, neta do casal, disse que a perda dos avós causa tristeza, mas também uma lição de vida para a família e as pessoas que conviveram com Higino e Nair.

“Eles tiveram muita união e criaram os filhos e netos com muita batalha. Eles eram muito próximos. Tanto em vida, como também agora nesse momento. Eles viveram juntos e foram embora juntos”, disse Auana.
A morte dos idosos em um intervalo de tempo tão curto causou comoção na comunidade onde moravam.

Nair era enfermeira aposentada e, por coincidência, atuou no hospital onde o marido foi atendido quando apresentou os sintomas mais agudos da doença. Gino, como era conhecido, era rodoviário e fazia o transporte de estudantes para as faculdades em Ilhéus. Eles deixaram nove filhos e 20 netos.

Gino e Nair foram sepultados no Cemitério de Ubatã.