Em hospital, Vilas-Boas faz apelo à população sobre risco de colapso: ‘Hospitais não darão conta’

Fonte: Bahia.Ba

Secretário de Saúde pede que cidadãos denunciem eventos com aglomeração

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, gravou um vídeo no leito em que se recupera da Covid-19, no Hospital Aliança, para fazer um apelo à população sobre o possível risco de colapso nos sistemas público e privado de saúde diante do avanço da doença.

Na gravação, publicada nesta segunda-feira (22) em suas redes sociais, Vilas-Boas também fala a respeito do seu quadro de saúde e sua experiência com a “doença traiçoeira”, com a qual foi diagnosticado há cerca de uma semana.

“Meus amigos, tem uma semana que eu fui diagnosticado com Covid. Tenho permanecido esses dias internado, fazendo uso de oxigênio, tomando medicações. Não tem sido uma experiência fácil, essa é uma doença traiçoeira. Ninguém sabe quem vai melhorar, quem vai piorar. Ter uma garantia de uma vaga no hospital não é uma garantia de que você sobreviverá”, descreveu o secretário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Vilas-Boas, cada cidadão deve fazer a sua parte para tentar evitar a disseminação do vírus, uma vez que o estado se vê diante de um possível esgotamento de UTIs. “Nós precisamos lutar para que a taxa de transmissão diminua. Nós precisamos evitar que as pessoas continuem se contagiando, porque não haverá vaga pra todo mundo. Os hospitais não vão dar conta. Além do sofrimento que esse sofrimento que essa doença representa para cada uma dessas pessoas, para cada uma das famílias, é uma sobrecarga jamais vista para o sistema do saúde”, continuou.

Vilas-Boas também pediu que a população leve ao conhecimento das autoridades casos de desrespeito às regras sanitárias, principalmente eventos com aglomerações.

“Portanto, faço um apelo: lute para que não exista aglomerações em seu bairro, denuncie à polícia, denuncie à sua comunidade, combata as pessoas que estão fazendo aglomerações indevidas. Só assim nós conseguiremos conseguir sobreviver à pandemia”, pediu o secretário.