Polícia prende taxista envolvido em crime na Praia de Jaguaribe

Fonte: Correios24horas

Um terceiro envolvido no crime que deixou três mortos na Praia de Jaguaribe, na última terça-feira (5), foi preso pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

O criminoso preso é o motorista do táxi utilizado para levar os dois atiradores até a praia e, depois, dar fuga a eles. Além dele, já foram presos também os motociclistas que foram ao local do crime momentos antes, para verificar se tinha alguma blitz ou presença de policiais nas redondezas.

Após a informação dos motociclistas de que a barra estava limpa, os dois atiradores chegaram de táxi ao local, que foi embora da praia e ficou esperando os bandidos em outro ponto. Após o tiroteio, os atiradores subiram nas duas motos dirigidas pelos capangas e fugiram de forma rápida, encontrando o táxi que os deixou mais à frente e usando o veículo para chegar ao destino que queriam.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o táxi foi identificado através de imagens de câmeras de segurança. Com as imagens, os investigadores descobriram o número do táxi e o modelo do carro utilizado pelos criminosos, um Chevrolet Spin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma campana foi montada na Avenida Vasco da Gama e, quando o motorista apareceu para entrar no táxi, foi preso. Em conversa inicial, o homem confessou que participou do crime. Ele já tem passagens por receptação de veículo roubado.

O criminoso e o veículo foam encaminhados para o DHPP.

Crime
Por volta das 15h desta terça-feira (5), banhistas se divertiam na Praia de Jaguaribe, quando um grupo de cinco homens armados invadiu a faixa de areia atirando. O alvo da ação era Lucas Santos da Cruz, 27 anos, que correu, mas foi alcançado e morto no local. A estudante de biomedicina na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Juliana Celina da Santana Silva Alcântara, 20, e o adolescente, Igor Oliveira Lima Filho, 16, que não tinham nenhum envolvimento com os criminosos, estavam na linha dos tiros e acabaram sendo atingidos e mortos.

A mãe de Juliana Celina estava na hora quando a filha foi baleada e passou mal, precisando ser socorrida e medicada. Um outro rapaz que estava na praia, André Luiz Cunha dos Santos, que também não tem envolvimento com a criminalidade, foi atingido e sobreviveu. Ele foi levado para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde passou por cirurgia.